O que inteligência emocional tem a ver com o futuro?

Publicado em 18 de maio de 2018 |

Vivemos por muito tempo uma época em que os grandes gênios eram aqueles que dominavam as ciências exatas — os craques de cálculo, programadores, físicos etc. As hard skills, ou competências técnicas, eram o que diferenciavam essas pessoas.

De fato, elas são muito importantes e não é preciso tirar o mérito daqueles que as possuem. Acontece que o tempo mostrou que o desenvolvimento das soft skills também era significativo para o sucesso profissional e pessoal.

Nesse sentido, um dos termos que começou a ganhar cada vez mais relevância foi a inteligência emocional (IE). Palestras, livros e cursos começaram a trazer essa ideia para o nosso dia a dia. Mas você sabe bem o que isso significa? Não deixe de ler o post de hoje para aprender mais sobre o tema!

O que é inteligência emocional?

Podemos entender inteligência emocional como a capacidade de analisar e compreender as próprias emoções e também as dos outros. É como saber sentir, pensar e agir de uma forma inteligente, administrando seus sentimentos de forma que eles não afetem negativamente a sua vida.

Na verdade, é claro que eles são capazes de alterar nossos ânimos, mas a diferença de quem pratica a inteligência emocional é não deixar que as emoções tomem conta das nossas atitudes de maneira prejudicial — situação que provavelmente grande parte das pessoas já viveu.

A diferença é que nem todo mundo tenta entender o que está sentindo. Em um momento de raiva, por exemplo, você já parou para pensar por alguns minutos porque aquilo estava tomando conta de você?

Criar essa consciência é o primeiro passo para começar a trabalhar essas sensações, entendendo melhor as reações humanas e buscando perceber como algumas delas potencializam ou dificultam a nossa felicidade.

Diante de tudo isso, podemos entender a IE como uma habilidade que, inclusive, pode ser cultivada para gerar resultados mais positivos para nós mesmos. Isto é, não se trata de um dom ou talento nato que não pode ser construído com o tempo. Mas por que investir nisso?

Por que ela é tão importante para a vida?

É até difícil definir as aplicações práticas da inteligência emocional. Só quem experimenta um processo de transformação nesse sentido poderia ser capaz de dizer com maiores detalhes.

Para cada pessoa os efeitos podem ser diferentes, alguns podem identificar grandes mudanças na construção da carreira, enquanto outros sentem maior impacto nas relações pessoais.

No mundo corporativo, não há dúvidas de que esse tem sido um “ingrediente” essencial. Psicólogos organizacionais, coachs, gestores e diversos outros profissionais estão descobrindo como esse tipo de sabedoria tem feito a diferença, principalmente para os cargos de liderança. A capacidade de entender o outro e extrair o melhor dele é uma ótima fórmula para estimular a produtividade.

Sem contar que para qualquer outro aspecto da vida isso é relevante. Somos desafiados diariamente: na escola, no trabalho, na família, nas amizades e até nos nossos próprios pensamentos.

Há muitas questões envolvidas, cobranças e dificuldades que podem tornar essa rotina extremamente desgastante. Não por acaso, problemas ligados à ansiedade, depressão e estresse estão cada dia mais comuns.

Logo, é fácil perceber como o nosso bem-estar geral está relacionado com a forma como lidamos com os fatos e com os nossos sentimentos. Por isso, cultivar nossa inteligência emocional traz maior equilíbrio e tranquilidade para lidar tanto com os outros quanto consigo mesmo.

Que tipos de práticas podem ajudar a desenvolvê-la?

Há inúmeros caminhos para desenvolver e amadurecer o seu lado emocional. O que mais importa nessa busca é a vontade e disposição para não desistir do objetivo final. É natural que ocorram obstáculos — não pense que uma habilidade como essa se adquire da noite para o dia.

No entanto, aqui vão algumas dicas para ajudar a desenvolver esse tipo de inteligência:

  • perceba quais são as suas maiores dificuldades no dia a dia que você gostaria de mudar;
  • evite reações impulsivas e negativas antes de refletir sobre elas, ou seja, tente compreender os seus sentimentos antes de reagir instintivamente a eles;
  • crie hábitos ou gatilhos para lidar com os imprevistos desagradáveis (ex: escutar uma boa música, lavar o rosto, tomar um copo de água, fazer um exercício físico etc)
  • pratique a empatia e pense também no outro, não apenas em você;
  • tente identificar seus limites para evitar situações que os desafiem, praticando o autocontrole;
  • seja grato e estimule as emoções positivas dentro de você.

Além dessas pequenas práticas diárias, o que você pode fazer é procurar mais conteúdo sobre o assunto para aprender aos poucos. Certamente, durante essa trajetória você perceberá como é importante agir com mais consciência para os dias serem mais leves e o seu futuro mais feliz!

E para ficar por dentro de outras informações e oportunidades sobre o tema, siga o perfil da Dágora no Facebook e no Instagram!

Gostou??? Compartilhe