Meditação nas escolas – caminhos para uma nova educação

Publicado em 30 de janeiro de 2018 |

Por que investir na meditação nas escolas?

Há algum tempo, relacionar os métodos de ensino tradicionais com a meditação nas escolas era algo impensável. Até porque tudo que as crianças e jovens tinham que fazer era estudar e se divertir.

Contudo, o cenário que vivemos hoje não é bem assim. As responsabilidades começam desde cedo, assim como as cobranças e as expectativas — e, consequentemente, algumas frustrações.

Parece que não temos nenhum tempo a “perder”! Precisamos falar muitas línguas, dominar as tecnologias, fazer crescer o currículo e decidir logo uma carreira para ser bem-sucedido. Isso para não falar do lado social de formar uma família ou viver em paz a sua opção sexual.

Inevitavelmente isso acaba gerando um milhão de preocupações e uma pressão social que parece não ter fim. Como resultado, os estudantes ficam cada vez mais confusos, esgotados, dispersos ou até mesmo doentes. A depressão já é uma realidade comum, inclusive com tentativas de suicídio.

Nesse sentido, um recurso que tem se mostrado uma boa alternativa é implantar a meditação nas escolas. Sua prática diária é recomendada pela Sociedade Internacional da Meditação e tem demonstrado efeitos positivos. Veja a seguir algumas razões para apostar nessa ideia.

Estimular o desempenho do cérebro

Diversas pesquisas apontam que o desempenho cerebral de quem pratica meditação é beneficiado. Segundo um estudo da piscobióloga Elisa Kozasa publicado na Neuroimage, quem não medita precisa ativar mais áreas cerebrais para realizar uma tarefa.

Ou seja, é como se essa pessoa fosse menos eficiente. Ao contrário, a prática constante da meditação consegue promover esse benefício. Ela cria gatilhos na atividade cerebral que fazem com que a pessoa tenha maior facilidade para fazer determinadas coisas.

Todo esse estímulo da cognição humana é capaz de gerar ainda outros tipos de vantagens. Desenvolvimento do potencial criativo que é uma habilidade importante independente da carreira escolhida.

Desenvolver a comunicação

Saber lidar com as próprias emoções nem sempre é uma tarefa fácil. A estabilidade emocional costuma ser um fator importante na capacidade de comunicação e socialização das pessoas.

Conectar-se com outras pessoas é significativo sob diversos aspectos, mas para isso é preciso trabalhar um pouco mais a clareza dos nossos sentimentos e opiniões. Quanto mais conhecemos a nós mesmos, mais somos capazes de entender também o outro.

Isto é, quando temos as ideias mais claras e calmas dentro de nós, conseguimos nos comunicar melhor com as pessoas à nossa volta. E essa é uma habilidade que deve ser explorada, tanto para o desenvolvimento pessoal como profissional.

Afastar o estresse e a tristeza

Não dá para pensar que somente adultos trabalhadores e atarefados têm uma vida corrida e estressante. As frustrações podem ocorrer por inúmeros motivos e especialmente os universitários têm se mostrado estressados, tristes e angustiados.

A pressão para vencer os desafios da carreira profissional, a ameaça do desemprego e o medo do fracasso são alguns dos principais motivos que desencadeiam esse tipo de sentimento. Com isso, os sintomas e os riscos da depressão se tornam cada vez maiores.

Por esse lado, é importante pensar na meditação como uma maneira de buscar o autoconhecimento e ajudar as pessoas a se acalmarem diante das suas dificuldades. Para isso, vale explorar as técnicas de respiração que favorecem o relaxamento e a concentração.

Conseguir mais foco e concentração

O processo de aprendizagem está muito relacionado a nossa capacidade de concentração e foco, concorda? Quando estamos realmente atentos a um tema ou a uma atividade, nosso rendimento tende a ser muito maior.

E já que vivemos em um mundo cheio de informação e distrações, nada melhor para as escolas do que incentivar essa capacidade utilizando, por exemplo, técnicas como a meditação.

O mindfulness é outro método que complementa muito essa ideia de usufruir dos benefícios da atenção plena. E certamente eles não ficarão restritos ao ambiente escolar, mas servirão para todas as áreas da vida das pessoas sejam elas crianças, adolescentes, adultos ou idosos.

Enfim, atualmente muitas escolas e universidades já se preocupam em ir além da formação acadêmica, mas, quando isso não acontece, os próprios alunos devem perceber a importância de desenvolver outras habilidades e procurar maneiras de aprendê-las.

E então, gostou de saber mais sobre como estimular a meditação nas escolas pode ser algo benéfico? Para continuar acompanhando informações e novidades sobre o assunto, não deixe de assinar a nossa newsletter!

Gostou??? Compartilhe